sábado, 9 de janeiro de 2010

Rubro desejo

Nuvens de incenso
Cobrem o altar
Pedaços do leito
Recebem pétalas de dois olhares,
Uma chama em fogo
A cera fundida
Na luz das velas…

Nasce um tango de inspiração
Das silhuetas em júbilo
Interminável paixão
Solta em sussurros
Gemidos de mel
No sentido das bocas
Em rubro desejo…

Os corpos falam de amor
A alma embriaga-se de calma
O sémen que fervilha
Nas veias em movimento
Constante velejar até
O sol amanhecer…

Ana Coelho

Sem comentários:

Enviar um comentário