terça-feira, 29 de setembro de 2009

Ébrio de paixão

Deslizo os dedos
no veludo negro dos teus cabelos
entrego o meu peito ao teu calor
a língua resvala pelos teus poros,
devagar saboreia a volúpia
impulsos vigorosos
exaltados no fervilhar
húmido dos lábios,
enrolo-me no dorso desnudado
extasiado...
Velejamos numa ondulação plena
oscilam os corpos náufragos à deriva
na salgada água embebida na epiderme,
flui no sangue espasmos ardentes
muco transpirado
ébrio de paixão.

Ana Coelho

Sem comentários:

Enviar um comentário