quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Sabor do amor

Quando te deitas em mim
a tua pele agridoce
resvala no meu peito
ao encontro da colmeia
que nutre o teu mel.

Saboreio a tua canela
mordo os teus lábios
ameixa rubra
bebo a tua saliva morna.

Os joelhos abrem-se
voo cruzado
no véu das minhas coxas,
procuras o desejo
fulgor das nossas ânsias,
devagar
na apoteose do sentir.

Ana Coelho

1 comentário:

  1. Olá amiga Ana Paula

    passei aqui para marcar minha presença, que há já algum não fazia.
    Pela dificuldade de ler no blog, não posso
    descrever qualquer referência ao seu poema.
    Me desculpe amiga, mas a vida por vezes nos surpreende, quando menos esperamos.

    Beijin hos

    Alvaro

    ResponderEliminar