sexta-feira, 17 de junho de 2011

Elixir da lua

O vento escreveu
nos meus lábios
as palavras pintadas
de Primavera,
a gota d’água
na transparência do sentir,
música desperta
na flor da íris
que faísca
a luz quente
do teu olhar chacal.

O felino mar
onde me deito
e embalo nas ondas
colossais do teu despertar,
um rio que bebe
o elixir da lua
no clamor do momento,
cúmplice das amarras
de um sentimento
único
cantado a duas vozes
nas pausas do poema.

Sem comentários:

Enviar um comentário