domingo, 24 de julho de 2011

Rios de arco-íris

Entrego-me voluntariamente
à penitência de caminhar
…caminhar
em simbiose
nos passos com um som uno.

Poros de luz
rios de arco-íris
esculpidos na cinza
vestida de céu
com a ponta solta
sobre as águas salgadas
do imensurável mar…

Salgada mas constantemente
refrescante
vibrante
onde a penitência
é o perpetuar dos dias
nas horas onde
os segundos devoram
o tempo…

Aquele tempo
em que a espera
é a recompensa
sem castigo
de um único abrigo
onde o som do teu olhar
é a prisão imortaliza
onde jamais
deixarei de me acorrentar!


1 comentário:

  1. Obviamente que aqui tinha que estar poesia...
    A suavidade da música com as palavras se
    combinam muito harmoniosamente.
    Saudações poeticas

    ResponderEliminar